• luizfsa7

Uma aliança pela soja responsável

Atualizado: 4 de abr.

Aliança da Terra coordena projeto para auxiliar na adequação socioambiental de 120 pequenas e médias propriedades de Mato Grosso



Nos próximos meses, 120 pequenos e médios produtores de soja do Mato Grosso terão a oportunidade de dar um passo a mais em direção à agricultura sustentável. Graças a uma grande parceria internacional, eles terão acesso a um programa gratuito e exclusivo que combina assistência técnica com ajuda financeira para a execução de adequações para a melhoria dos padrões socioambientais das suas propriedades, abrindo caminho para futuras certificações e a abertura de novos mercados para sua produção.


Criada com o objetivo de desenvolver projetos para auxiliar na proteção do meio ambiente em harmonia com a produção agropecuária, a Aliança da Terra é responsável pela coordenação do projeto. A execução fica a cargo da equipe da Produzindo Certo, empresa especializada na assistência técnica em sustentabilidade para produtores rurais, que está em campo em vários municípios do Estado cadastrando propriedades para participar do programa.


A parceria internacional envolve o governo do Estado de Mato Grosso por meio da iniciativa REDD Early Movers do Estado do Mato Grosso (REM-MT), além do Instituto PCI e das seis principais traders globais de soja – ADM, Bunge, Cargill, COFCO International, Viterra e Louis Dreyfus Company –, reunidas no Soft Commodities Forum (SCF). Os recursos para financiamento do projeto são provenientes do REM-MT, e têm como objetivo ampliar a produção responsável de soja na região.


Cerca de 40 propriedades dos municípios de Campos de Júlio e Planalto da Serra já foram inscritas na fase inicial do projeto, iniciada no segundo semestre de 2020. Atualmente essas fazendas fazem parte da Plataforma Produzindo Certo e estão em processo de adequação socioambiental.


A meta agora é bem mais ambiciosa: selecionar, em todo o Mato Grosso, mais 120 propriedades, de até 15 módulos fiscais, dedicadas à produção de soja para investir e apoiar a adoção de uma produção mais responsável.


Estão disponíveis aproximadamente R$ 1,3 milhão para serem investidos. Cada fazenda cadastrada poderá receber até R$ 30 mil, em um sistema de contrapartida. “A ideia é que para cada real investido pelo produtor em melhorias, o projeto entre com mais um real”, conta Caroline Nóbrega, gerente geral da Aliança da Terra.



Assistência técnica e financiamento


Para o produtor são inúmeras as vantagens. “A fazenda passará a fazer parte da Plataforma Produzindo Certo sem custo algum, destaca Charton Locks, COO da Produzindo Certo.


Ao se inscreverem na plataforma, as propriedades serão avaliadas pelas equipes da Produzindo Certo, de forma remota e através de uma visita presencial. Essa avaliação vai gerar um diagnóstico socioambiental da fazenda.


Em seguida, também gratuitamente, técnicos da empresa elaborarão, em conjunto com o proprietário, um plano de ação para a execução de melhorias, sempre tendo em vista a capacidade financeira do produtor. “Ele ainda terá o reembolso de até metade das despesas de adequação realizadas na propriedade durante o projeto”, lembra Charton.


“A ideia é que os produtores possam assumir alguns compromissos para alcançar o que eles esperam melhorar”, explica Caroline Nóbrega. Durante a execução do plano de ação, os produtores também contarão com assistência dos especialistas da Produzindo Certo.


Faz parte ainda das metas do projeto realizar, de forma gratuita por meio da Brigada Aliança, treinamentos para prevenção e combate a incêndios para cerca de 100 voluntários (produtores rurais e funcionários das fazendas). O objetivo é reduzir os prejuízos financeiros e ambientais provocados pelas queimadas.



De olho no mercado


Outro grande diferencial do projeto neste ano, além da ampliação do número de fazendas beneficiadas, é que será feita uma avaliação das propriedades que tenham a possibilidade de alcançar a certificação RTRS, a referência internacional para a produção de soja responsável. “O projeto vai identificar aproximadamente 25 propriedades e vai cobrir todos os custos para essa certificação. Desde que os produtores tenham interesse e se comprometam”, disse a gerente geral da Aliança da Terra.


Com a certificação RTRS, os produtores ficam aptos a vender sua produção para mercados mais exigentes, como o europeu, e até mesmo buscar ofertas que premiem a produção responsável com cotações mais altas pela soja vendida.


Confira os destaques do projeto:


Objetivos:

Estimular a produção responsável e a eliminaçãode desmatamentos, fornecendo incentivos e assistência técnica em sustentabilidade para 120 pequenas e médias propriedades produtoras de soja no estado de Mato Grosso;

Realizar, de maneira gratuita, curso/treinamento em prevenção e combate a incêndios florestais para cerca de 100 voluntários, em especial produtores rurais e funcionários de fazendas do projeto;

Certificar até 25 propriedades rurais no padrão RTRS.


Vantagens para o produtor:

• Até R$ 30 mil em apoio financeiro para adequação socioambiental da fazenda. Para cada um real que você investir, um real será reembolsado pelo projeto;

• Diagnóstico socioambiental gratuito;

• Plano de ação exclusivo, listando o passo-a-passo para a melhoria contínua da sua propriedade;

• Inclusão gratuita na Plataforma Produzindo Certo, que reúne mais de 3,5 mil propriedades em todo o Brasil e oferece benefícios e oportunidades exclusivas para o produtor responsável;

• Avaliação frente ao protocolo RTRS, certificação necessária para exportação para Europa;

• Apoio na certificação RTRS, sem custo, para 25 a 30 fazendas, com possibilidade de renda adicional com venda de créditos, incluindo auditorias necessárias.


Como participar?

O primeiro passo é verificar se você atende aos critérios para participar do programa. Fale com o time da Produzindo Certo.


47 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo