top of page
  • luizfsa7

Aliança da Terra amplia proteção do Cerrado

Três Unidades de Conservação do bioma passarão a contar com um Plano de Manejo Integrado do Fogo, iniciativa que visa reduzir as consequências do fogo sobre os recursos naturais e a sociedade


Equipe da Brigada Aliança reunida para discutir ações do Projeto Copaíbas


Gerenciado pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO), o Programa COPAÍBAS é um apoio oficial a estratégias que promovam a conservação de florestas e áreas de vegetação nativa no Cerrado e Amazônia. Além de gerar melhores condições de vida para as populações tradicionais e povos indígenas, esse cuidado passa, entre outras coisas, pela prevenção de incêndios.


É neste ponto que entra a Organização Não-Governamental (ONG) Aliança da Terra. Em setembro, a ONG assinou um contrato com o FUNBIO, instituição responsável pela gestão do Programa COPAÍBAS, para a implantação, do Plano de Manejo Integrado do Fogo (PMIF) em três Unidades de Conservação (UCs) do Cerrado: Parque Estadual da Serra do Cabral (PESC) e Parque Estadual Verde Grande (PEVG), em Minas Gerais, e Parque Estadual Terra Ronca (PETeR), em Goiás.


O planejamento das atividades já foi elaborado, pela Aliança da Terra, em construção colaborativa com os gestores das UCs e representantes dos órgãos estaduais que apoiam o programa: a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad - GO), em Goiás; e a Gerência de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais (Previncêndio) do Instituto Estadual de Florestas - IEF MG, em Minas Gerais.


Atualmente, o projeto entrou na etapa de caracterização das UCs em relação ao fogo, com visitas de campo, conduzidas pela Brigada Aliança, para conhecer a realidade local. Com o objetivo de assegurar a participação social na elaboração das estratégias do PMIF, o próximo passo será a realização de oficinas com a comunidade local de cada UC.


É de amplo conhecimento que o Cerrado é a savana mais biodiversa do planeta, considerado um hotspot de biodiversidade. Portanto, sua proteção é essencial para a conservação da biodiversidade global e do clima, assim como para a segurança alimentar local, o bem-estar e o abastecimento de água.


É por isso, entre outros motivos, que alguns integrantes da embaixada do país nórdico em nossas terras, chamada de Noruega no Brasil, fizeram questão de conhecer a região mais de perto, bem de perto, aliás. Acompanhados por uma equipe do FUNBIO, visitaram o Parque Estadual Águas do Paraíso (PEAP), outra UC do Cerrado que conta com uma base da Brigada Aliança.


Segurança planejada

O Plano de Manejo Integrado do Fogo é um instrumento de planejamento para que as operações relacionadas à prevenção e ao combate de incêndios aconteçam com máxima eficiência. Neste caso, o fogo é usado como uma ferramenta dentro de um conjunto de ações que, primeiro, contribuem para evitar o problema e, segundo, caso seja inevitável, facilitem e agilizem o controle e a eliminação do foco de incêndio.


De maneira mais detalhada, é um modelo de planejamento e gestão integrado que associa aspectos ecológicos, culturais, socioeconômicos e técnicos em execução, integração, monitoramento, avaliação e adaptação de ações relacionadas com o uso de queimas prescritas e controladas; e à prevenção e ao combate aos incêndios florestais, com vistas à redução de emissões de material particulado e gases de efeito estufa, à conservação da biodiversidade e à redução da severidade dos incêndios florestais, respeitado o uso tradicional e adaptativo do fogo.


Considerando a legislação vigente, o alinhamento com os objetivos de criação da Unidade de Conservação e com os objetivos do Plano de Manejo de cada UC, o PMIF segue alguns passos para a implantação das ações. Ele começa pelo diagnóstico de toda a área a ser protegida, com o histórico do número de focos de calor e cicatrizes de incêndios, produção de mapas de topografia, de hidrografia e, caso existam, levantamento de nascentes, sítios arqueológicos e outros recursos naturais sensíveis.


Também se faz a análise climática do local e classificação da vegetação sensível e tolerante ao fogo. Essas informações ajudam a entender melhor as particularidades de cada UC e quais ações poderão ser propostas.


O processo todo é potencializado pela soma do conhecimento de cada integrante da Brigada Aliança que está no campo à expertise da equipe técnico-científica que trabalha na sede da Aliança da Terra, em Goiânia. Essa equação resulta em uma atuação coordenada e altamente estratégica, que estabelece diretrizes para assegurar a realização anual de ações, algumas delas durante os períodos de menor ocorrência de incêndios.


E, consequentemente, aprimorar a eficácia e agilidade no combate aos incêndios nos períodos mais críticos. Uma de nossas metas é criar uma rede de apoio com os contatos de todos os envolvidos na implementação das práticas de manejo do fogo nas UCs e em suas áreas circunvizinhas. A formação dessas redes de apoio é uma estratégia que fortalece e promove o engajamento na execução das ações propostas.


UNIDADES DE CONSERVAÇÃO QUE TERÃO O PMIF


Parque Estadual da Serra do Cabral (PESC)

Localização: Municípios de Buenópolis e Joaquim Felício (MG)

Área: 22.494 hectares

Descrição: Está localizado na Serra do Cabral, que integra a Cordilheira do Espinhaço, na região centro-norte de Minas Gerais. As altitudes variam entre 900 e 1.300 metros, com afloramentos rochosos; a vegetação é composta por veredas, matas e cerrado; a fauna é destacada pela presença de antas; a rede hidrográfica é abundante, com muitas nascentes, cachoeiras e piscinas naturais; e abriga vários sítios arqueológicos pré-históricos, inclusive com pinturas rupestres.


Parque Estadual Verde Grande (PEVG)

Localização: Município de Matias Cardoso (MG)

Área: 25.570 hectares

Descrição: O Parque está localizado às margens do Rio São Francisco e do Rio Verde Grande, na divisa entre Minas Gerais e Bahia, composto pelos biomas Cerrado e Caatinga. A UC é caracterizada por florestas e áreas alagáveis, com ninhais e lagoas marginais. Essas lagoas abrigam jacarés e capivaras e são um “berçário” de peixes, onde crescem alevinos que depois retornam aos rios.


Parque Estadual Terra Ronca (PETeR)

Localização: Municípios de São Domingos e Guarani de Goiás (GO)

Área: 57.000 hectares

Descrição: Esta UC se destaca por seu relevo espetacular com cavernas, grutas e formações rochosas únicas, abrigando um dos mais importantes conjuntos espeleológicos da América do Sul. Além disso, a diversidade da fauna e flora, presentes em áreas de Mata Seca, Cerrado e Veredas, torna-o um importante local de conservação da biodiversidade. O parque é um destino popular para espeleologia e ecoturismo, oferecendo a oportunidade de explorar cavernas e apreciar a beleza natural, incluindo cascatas, cachoeiras e rios de águas cristalinas.


Dentro desse contexto, é importante destacar que o PMIF não deve ser visto como um conjunto de soluções padronizadas e replicáveis para todas as áreas, mas sim como uma ferramenta de planejamento, gestão e manejo adaptativo que requer uma abordagem específica para cada localidade. O uso do fogo deve ser criterioso, aplicando-o onde apropriado e evitando-o em áreas onde não é necessário.

Comments


bottom of page